3 sinais que foste feita para trabalhar a partir de casa

trabalhar a partir de casa

Trabalhar a partir de casa não é para todas. Há quem adore e há quem odeie. E para a grande parte de nós é um “depende”. Isto para aquelas cujo trabalho permite, claro. Depende se estamos sozinhas em casa ou com filhos à volta. Depende se é a 100% ou parcialmente. Depende do tipo de trabalho. Entre outras coisas.

Uma das coisas boas da pandemia foi a possibilidade de, pelo menos, começar a falar sobre opções. Já se ouve em muitos meios profissionais a palavra “híbrido”. Já houve quem provasse aos chefes que é tão produtiva ou mais a trabalhar a partir de casa.

Mas também há muitos a dizer que, à medida que a pandemia termina, podemos voltar ao “normal”. Há quem só queira esquecer o que é trabalhar em casa. Quem diga que qualquer interacção não-presencial não presta. Os vídeos da @Loewhaley, com managers a tentar desesperadamente convencer millenials a voltar ao escritório são cómicos porque reflectem esta tensão.

3 sinais que foste feita para trabalhar a partir de casa

Como é que somos tão diferentes? Em particular, o que faz algumas de nós gostarem tanto da possibilidade de trabalhar em casa e outras nem quererem ouvir falar disso?

Há matizes, mas aqui ficam 3 preferências que me fazem funcionar muito bem a trabalhar a partir de casa. Suspeito que quem tenha esta combinação seja fã e que o inverso também aplique.

1. És introvertida

Tudo o resto constante, as introvertidas dão-se melhor a trabalhar a partir de casa do que as extrovertidas. Eu sempre achei que os open spaces e áreas comuns de tantos escritórios são feitos para os extrovertidos. É muita gente, muito barulho, muito estímulo. E muita conversa de circunstância, de elevador. Poucas oportunidades para se estar sozinha, nem que seja com os pensamentos.

Eu prezo muito o facto de poder ir à casa-de-banho sem ter de cumprimentar três pessoas. Sim, sabe bem “ver gente” de vez em quando. Mas sempre, todos os dias, a todas as horas, cansa-me mais do que me energiza.

2. Aprendes melhor a ouvir

Uma vez li um artigo que explicava como cada um de nós aprende melhor. Há três estilos: através da audição (p. ex., lembras-te de coisas que ouviste), visão (p. ex., lês ou visualizas na tua cabeça) ou tacto (p. ex., constróis, desenhas, tocas, fazes).

Quem prefere ouvir, que é o meu caso, percebe (e lembra-se) de coisas que ouve, armazena informação pela forma como soa. Muitas vezes, aprende lendo em voz alta, porque tens de ouvir ou dizer para saber (ou para saber que sabes).

Ora eu era daquelas que, quando estudava, andava de um lado para o outro do quarto a recitar a matéria. Ainda hoje, para me preparar para reuniões, falo comigo própria e isso ajuda-me a perceber o que sei e o que falta saber. É muito difícil fazer isto num escritório, com pessoas à volta, já nem falo num open space.

3. Valorizas a flexibilidade

Todas valorizamos a flexibilidade, acho eu. A questão aqui é o quão importante é para ti e o que estás disposta a trocar. Por exemplo, estás disposta a trabalhar “fora de horas” pela oportunidade de teres tempo para ti em “horário de expediente”? Aproveitas o tempo que não passas em deslocações para fazer exercício? Davas tudo para não saber o que é a “hora de ponta”? Tens de tomar conta de outras pessoas que estão sob a tua responsabilidade? Aproveitas a hora de almoço para tratar da logística (arrumar a casa, ir ao cabeleireiro ou às compras)?

Tendo filhos pequenos, e mesmo por preferência geral, poder interromper e recomeçar o trabalho (dentro de certos limites) quando se precisa não tem preço. Mas, lá está, tenho amigas que são mães e extrovertidas e nunca abdicariam de ir para o escritório todos os dias.

Como não dar em doida a trabalhar a partir de casa

Isto é tudo muito bonito. Ainda assim, para aquelas que estão a 100% em casa, há algumas dicas que ajudam a não enlouquecer:

  • Define expectativas realistas para os teus dias
  • Faz pausas durante o dia e tenta distinguir os momentos em de trabalho dos restantes
  • Na medida do possível, separa o espaço em que trabalhas daquele em que relaxas (nem que seja a mesa)
  • Desliga o computador quando acabas de trabalhar
  • Cria oportunidades para interacções cara-a-cara que te energizem
  • Alimenta-te bem e cria rotinas saudáveis
  • Garante que te mexes o suficiente e que não passas o dia sentada


E tu? Dás-te bem a trabalhar a partir de casa?


Também te pode interessar:

Como ser produtiva em casa com filhos pequenos

Como escolher a carreira ideal? Olha para a infância

Também podes gostar

1 comment

  1. Francisca. Muito bem conseguido!
    “Por vezes andamos trocados. Deixamos para amanhã o que podíamos viver hoje e começamos a sofrer hoje o que podia ser só amanhã.”
    Beijinhos

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.