Setembro 2019: 3 coisas que aprendi este mês

Setembro 2019

Setembro 2019 foi o mês do desmame. Cá em casa, não em geral. O bebé está a mudar para o biberon e começou a introdução dos sólidos. A bebé maior começou a escola. E eu terminei a licença de maternidade. Como diz o outro, CA-BUM. Mas já passou e todos sobrevivemos. Aqui segue a lista de 3 coisas que descobri este mês.

1. Preciso de uma cloud

Ainda me falta perceber como se usa uma cloud. Mas pelo menos já percebi que preciso de uma. Alguma forma prática e eficiente de guardar os gigas ou teras de coisas que tenho espalhadas por discos externos, telemóveis, ou por gravar. E também uma forma de aceder aos mesmos documentos de diferentes dispositivos, que é algo útil. A ver se consigo aproveitar algum fim-de-semana chuvoso que aí venha para estudar as opções disponíveis, instalar uma delas, se é que é isso que se faz às clouds, e sincronizar tudo ou lá o que é.

2. Gastroenterite tem 3 “E”

Poucos dias depois de começar a escola, um surto de gastroenterite mandou toda a gente cá de casa abaixo, avós incluídos. Há muitas coisas que eu não sabia sobre esta doença. Por exemplo, achava que era algo muito mais dramático, que exigisse sempre internamento hospitalar e soro. A minha não foi assim. Foi só meio dia passado na casa-de-banho, seguido de três ou quatro dias de cansaço, enjoo e tonturas. Também não sabia que uma gastroenterite podia ter diferentes causas, achava que tinha só a ver com a alimentação. Nem sabia escrever correctamente a palavra. Cortava o “E” a seguir ao “T”. E agora já sei.

3. The other minds theory

Estava no carro, no trânsito do regresso a casa. No último dia de Setembro 2019. Estava a ouvir o segmento final da Masterclass do Malcolm Gladwell sobre escrita de não-ficção. (Recomendo muito, by the way!). Ele mencionou esta teoria das other minds. Os bebés só gradualmente é que se apercebem que a sua vontade e a vontade dos outros são coisas distintas. Por isso é que os bebés de 2 anos fazem tanto disparate. Estão excitados porque estão a testar o quão divergente a vontade deles pode ser, por exemplo, da dos pais. Já tinha ouvido falar disto na componente física, quando o bebé se apercebe que ele e a mãe não são o mesmo corpo. Mas nunca tinha ouvido falar desta teoria. O Malcolm Gladwell usa a teoria para ilustrar como ele vê o papel do escritor.

Curiosity about the interior life of other people’s day-to-day work is one of the most fundamental of human impulses, and that same impulse is what led to the writing you now hold in your hands.

What The Dog Saw, Malcolm Gladwell

Bem-vindo, Outubro!

Também podes gostar

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.