Os melhores discursos inspiradores que não podes perder

melhores discursos

O que aprendemos com os melhores discursos

Sim, o Churchill era um excelente orador. Mas alguns dos melhores discursos para me motivar são na verdade graduation speeches ou commencement speeches. Faz sentido, porque eu não me estou a preparar para enfrentar os nazis, apenas as minhas dúvidas de qual deve ser o próximo passo na minha carreira.

As universidades dos EUA convidam artistas, empresários, desportistas e celebridades em geral para irem dar conselhos aos recém-formados. Como quase tudo o que é feito nos EUA, torna-se uma forma de entretenimento, um formato muito optimizado. Até na duração, porque são relativamente curtos, dá para ver e rever.

E é verdade que há muitos que não passam de uma lista de gabarolices do orador convidado. Mas há outros em que alguém com ideias e experiências interessantes e maturadas se preocupou genuinamente em condensar em 20 minutos tudo o que gostava de ter sabido no final do curso.

Os melhores discursos para te inspirar

Hoje deixo-te alguns dos melhores discursos que vejo e revejo quando preciso de inspiração. Um graduation speech para cada ocasião. Quais destes já conheces?

1. J. K. Rowling: quando precisas de te lembrar do poder da imaginação

Eu gostei de tudo neste discurso, eu comprei o livro do discurso. Eu gosto das piadas, eu gosto do sotaque, eu gosto das referências ao Harry Potter, eu gosto da história pessoal misturada com a parte inspiracional. Eu usei este discurso como inspiração para um discurso que fiz no casamento de um amigo. E sobretudo gosto que ela lembre os falhanços que teve, sem romantismos, mas como parte definidora do sucesso que veio a seguir.

It is impossible to live without failing at something, unless you live so cautiously that you might as well not have lived at all— in which case, you fail by default.

J. K. Rowling

2. Steve Jobs: quando precisas de perspectiva

Este discurso de 2005 está dividido em 3 partes, cada uma ilustrada por uma história de vida do Steve Jobs (“no big deal”), todas poderosas. E está tão bem estruturadinho que vou manter a estrutura dele aqui.

2.1. Connecting the dots: sobre como a decisão dele de desistir da faculdade e começar a estudar o que lhe despertava curiosidade inspirou o Mac e mudou o mundo

Again, you can’t connect the dots looking forward; you can only connect them looking backward. So you have to trust that the dots will somehow connect in your future. You have to trust in something — your gut, destiny, life, karma, whatever.

Steve Jobs

2.2. Love and loss: sobre como ser despedido da empresa que tinha criado lhe deu nova energia para ir atrás do que queria

You’ve got to find what you love. And that is as true for your work as it is for your lovers. Your work is going to fill a large part of your life, and the only way to be truly satisfied is to do what you believe is great work. And the only way to do great work is to love what you do. If you haven’t found it yet, keep looking. Don’t settle. As with all matters of the heart, you’ll know when you find it. And, like any great relationship, it just gets better and better as the years roll on. So keep looking until you find it. Don’t settle.

Steve Jobs

2.3. Death: sobre como descobrir que tinha cancro reforçou a ideia que há muita coisa que perde importância perante a morte

Your time is limited, so don’t waste it living someone else’s life. Don’t be trapped by dogma — which is living with the results of other people’s thinking. Don’t let the noise of others’ opinions drown out your own inner voice. And most important, have the courage to follow your heart and intuition. They somehow already know what you truly want to become. Everything else is secondary.

Steve Jobs

3. Oprah Winfrey: quando achas que já sabes tudo

Vamos ser sinceras, às vezes ouvir a Oprah Winfrey parece um bocadinho uma mão cheia de clichés daqueles livros de auto-ajuda meio ocos. Só que quando ela diz, da forma que ela diz, aquilo soa mais rico. Há ali qualquer coisa. Para além do carisma, do talento para comunicar. Há ali uma verdade qualquer que ela já descobriu.

É engraçado neste discurso vê-la admitir os insucessos que surgiram depois do mega-sucesso (“stop succeeding”), raramente ouvimos essa história.

From time to time you may stumble, fall, you will for sure, count on this, no doubt, you will have questions and you will have doubts about your path. But I know this, if you’re willing to listen to, be guided by, that still small voice that is the G.P.S. within yourself, to find out what makes you come alive, you will be more than okay.

Oprah Winfrey

4. Nora Ephron: quando precisas de te lembrar que a tua vida pode ser o que quiseres

Eu não sei se é só comigo, mas dá-me ideia que a Nora Ephron disse coisas que se aplicam a todos os momentos da minha vida, dos mais banais aos outros. Este discurso é uma pequena pérola, em que ela fala de feminismo, de como a nossa vida é nossa para a vivermos. E eu lembro-me de ouvir isto há muitos anos, porque não perco uma palavra da Nora Ephron há muitos anos, e de achar curioso ela dizer que mudar era uma das coisas que era mais fácil para as mulheres do que para os homens.

Above all, be the heroine of your life, not the victim.

Nora Ephron

5. Neil Gaiman: quando estás farta de organizar a caixa de emails

Eu nunca li nenhum livro do Neil Gaiman. Mas eu vi uma Masterclass dele sobre escrita e as ideias dele pareceram-me tão interessantes. E aquela voz. E depois vi o discurso que ele fez e já considero que sou fã. “Make good art” é, ou podia ser o título, mas aplica-se a todos os esforços criativos que se possam fazer. Mais uma vez, temos aqui lições bem destiladas que vêm servidas com os exemplos reais que o levaram a aprender o que partilha.

The moment that you feel that, just possibly, you’re walking down the street naked, exposing too much of your heart and your mind and what exists on the inside, showing too much of yourself. That’s the moment you may be starting to get it right.

Neil Gaiman

6. Brené Brown: quando não te relacionas com histórias só de sucesso

Eu confesso que acrescentei este à lista antes de o ver. Porque cada vez que a ouço falar algo em mim se acende. Rio-me, choro, aproximo-me do sentido da vida. Inspiradora a história das quedas dela, até chegar onde chegou, e onde continua a cair e a recomeçar. A vulnerabilidade que é preciso para tomar decisões que não apareciam no nosso plano original. É que às vezes as pessoas que discursam parece que só tiveram sucessos na vida, que nunca tiveram hesitações, dúvidas. É mesmo diferente ouvir alguém a partilhar as vulnerabilidades todas.

It will not be on your terms or your timeline, the world does not ready itself for our plans; but make no mistake: what starts here changes the world

Brené Brown


E tu? Quais foram alguns dos melhores discursos que ouviste nos últimos tempos?


Também te pode interessar:

Os melhores livros de memórias com histórias inspiradoras

Como lidar com a ansiedade aos trinta

5 episódios de Friends que me fazem pensar na vida

Também podes gostar

2 comments

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.