7 mulheres que só descobriram a vocação depois dos 30

vocação depois dos 30

Este é um tema muito interessante para mim. Porque sou mulher e porque acho que encontrar uma vocação é uma tarefa para a vida. É mesmo inspirador pensar no peso dos exemplos de mulheres que só descobriram a sua vocação depois dos 30.

A nossa sociedade tem a mania de glorificar o sucesso precoce. Cada vez que vejo uma lista de pessoas com um nível de sucesso acima da média com menos de 30 anos, não posso negar que é um bocadinho angustiante.

Outro dia alguém dizia que não podemos desejar algo que não sabemos que existe. É por isso que é importante ter bons exemplos. E aqui estão alguns deles.

Descobrir uma vocação depois dos 30

Há uns tempos escrevi um artigo sobre a importância de não desperdiçar os 20s e acredito mesmo nisso. Mas isso não significa que tenhas todas as respostas e o caminho todo construído quando chegas aos 30. Significa que deves ir perseguindo os teus instintos e curiosidades e crescendo. Porque os processos demoram o seu tempo. E é muito provável que alguém que pareça ter nascido para uma vida que admiras tenha estado tão perdida como tu.

Para escrever este artigo, foi algo estranho ter de calcular as idades com que certas mulheres atingiram certos patamares de sucesso. Mas é bom saber que é possível. Que a vida, no sentido do rumo que lhe podemos dar para chegar à nossa vocação, não acaba aos trinta.

A Nora Ephron dizia que as mulheres, talvez mais do que os homens, têm uma capacidade de se reinventar. Foi algo que ela própria conseguiu, como vais ver em baixo. E eu acho que isso continua a ser verdade. É uma das poucas coisas que é mais fácil para uma mulher: mudar.

7 mulheres que só descobriram a sua vocação depois dos 30

Escolhi estas mulheres porque são histórias com que me tenho cruzado ao longo da vida repetidamente. Há mais, claro. Mas trago-as aqui como uma nota de esperança e de motivação.

Atenção que estas mulheres não estiveram com um palito na boca à espera dos 30 para começar a pensar na vida. Foram trabalhando, foram fazendo coisas, e uma coisa leva a outra. Aquilo que acabou por as tornar famosas e/ou excelentes nas suas áreas só surgiu depois de anos de outras experiências.

Por isso, sem mais demoras, partilho contigo um bocado da história de 7 mulheres que só descobriram a sua vocação depois dos 30.

Elizabeth Gilbert

Sabes o livrinho que todas conhecemos sobre o ano em que a Elizabeth Gilbert passou a viajar e a autodescobrir-se? Foi publicado quando ela tinha 36 anos, depois de um divórcio e numa altura em que estava a questionar toda a sua vida até aí.

A partir daí, a vida mudou para ela. Passou a ter dinheiro novamente e a liberdade de poder fazer o que queria. E o que ela queria era seguir a sua curiosidade: escrever romances, escrever uma espécie de manifesto sobre a vida criativa, viajar, ser oradora.

Tina Fey

Gosto muito da Tina Fey. Para já, porque ela me faz rir. Depois, porque tem uma inteligência que cativa, sempre gostei de ouvir pessoas mais inteligentes que eu.

A carreira dela começou na comédia de improviso e chegou ao programa Saturday Night Live. Algum tempo depois foi a primeira mulher head writer. E depois ficou mais famosa, e depois saiu do programa para criar e aparecer na série 30 Rock, escreveu um livro, fez de Sarah Palin. E agora produz, cria, faz o que quer. Tem 50 anos.

Também te pode interessar:

As melhores coisas que podemos aprender com a Tina Fey

Vera Wang

É tipo uma Rosa Clará, nos EUA. Ou seja, o nome dela é sinónimo de vestidos de casamento de luxo. Basicamente, depois de trabalhar na Vogue durante imenso tempo e na Ralph Lauren, foi aos 40 anos que criou a sua marca de vestidos de noiva.

Actualmente, para além dos vestidos de noiva para uma lista infindável de famosas (desde a Chelsea Clinton à Kim Kardashian), a marca cresceu e inclui roupa, jóias, perfumes, tudo.

Nora Ephron

Já mencionei que gosto imenso da Nora Ephron? Mais uma mulher inteligentíssima e com sentido de humor “afiado”. Começou como jornalista, e depois foi perseguindo as oportunidades e a curiosidade. Passou a ser colunista, depois escreveu vários argumentos de cinema e mais tarde, foi também realizadora. Escreveu 2 livros de memórias de grande sucesso. E ainda escreveu peças de teatro, foi blogger, enfim muita coisa.

It will not be anything like what you think it will be like, but surprises are good for you. And don’t be frightened: you can always change your mind. I know: I’ve had four careers and three husbands.

Nora Ephron

Também te pode interessar:

Nora Ephron: 9 razões para ler tudo o que escreveu

Michelle Obama

Ela escreveu um livro chamado Becoming, ok? A ideia era um bocado esta: ela ainda está a caminho de ser quem é. Mas o livro retrata bem a jornada, as dúvidas, o tempo a passar.

Em particular, gostei muito dos dilemas profissionais com que ela se deparou: deixar uma trabalho de advocacia bem pago ou não? E em troca de quê? Como perceber do que se gosta, o que nos realizaria? E, eventualmente, como aproveitar a posição em que me encontro para servir o meu propósito?

Julia Child

A primeira vez que ouvi falar da Julia Child no livro da Julie Powell, basicamente um blog transformado em livro. Durante um ano, esta mulher fez as 524 receitas que a Julia Child apresentou no seu livro clássico Mastering the Art of French Cooking. Depois, a Nora Ephron pôs a Meryl Streep a fazer de Julia Child. Mais tarde, li o My Life in France e adorei.

Ela tem uma história de vida gira e uma voz muito divertida. Conheceu o marido no Sri Lanka, durante a 2ª Guerra Mundial, aos 34. Depois foram viver para França, ela teve aulas no Cordon Bleu e começou a ficar fascinada com a cozinha francesa e começou a escrever um livro para donas de casa americanas. Com tudo isto, só publicou o seu primeiro livro de cozinha aos 39 e só se estou na televisão aos 51.

Judi Dench

Conheces esta actriz fabulosa? Eu de facto não me lembro dela em nova. E não é uma questão geracional, porque o cinema é mais ou menos eterno. Eu lembro-me da Katherine Hepburn nova e da Julie Andrews nova. Mas porque a Judi Dench só teve “sucesso” como actriz depois dos 30 e, no cinema, só depois dos 60.

De acordo com a Internet, só aos 34 anos é que a Judi Dench foi protagonista numa peça na Royal Shakespeare Company. Ficou famosa a nível mundial como M no seu primeiro filme do James Bond aos 60 anos e ganhou um Óscar aos 64 (Shakespeare in Love). #goals


.


E é isto! Já conhecias estas 7 mulheres? Que outros exemplos de mulheres que descobriram a sua vocação depois dos 30 te inspiram?


Também te pode interessar:

Como escolher a carreira ideal? Olha para a infância

Os 7 melhores filmes para mulheres que escrevem

Sara Blakely: as melhores lições de negócios que aprendi

Também podes gostar

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.