7 coisas que adoro nas férias de praia

férias de praia

Não sou daquelas pessoas que viaja para o estrangeiro para fazer férias de praia. Aí prefiro outros destinos, outros programas. Mas todos os anos, desde que nasci, por tradição familiar, vamos umas semanas para a praia. A nossa, a portuguesa. E sabe tão bem.

Toda a gente fala das vantagens de estar na praia. Aqui ficam sete coisas que adoro nas férias de praia.

Não andar de carro

Para mim é a definição de férias. Um luxo. Não ter de conduzir, nem de estacionar. E agora também acrescento não ter de pôr os miúdos nas cadeirinhas e nos ovos. O carro sempre quente ao pé da praia. E ter de sacudir bem a areia dos pés. Só se não puder evitar é que pegamos no carro. Férias de praia à séria é deixar o carro estacionado com aquelas protecções no vidro da frente. E esperar que ele fique coberto de areia fina e alguém escreva “limpa-me porco” ou lá o que é. Walking distance é o meu motto.

O cheiro a mar

O meu cheiro preferido. (Acho eu. Outros candidatos: livros, bolo de chocolate no forno, relva molhada. Mas cheiro a bebé não é um deles, posso já adiantar. Não sei por que é que toda a gente diz isso.) Uma pessoa inspira e parece que até se sente mais direita. E mais leve e saudável. Mesmo que esteja à torreira do sol a emborcar sangrias. E o barulho do mar também é super relaxante. Tenho uma amiga que me perguntou qual era a imagem mental que usaria para relaxar. Era estar a flutuar no mar.

Andar descalça

Ah, outra forma de liberdade. Em Lisboa, e sobretudo no Inverno, raramente ando descalça. Aperto os pés nos sapatos. Enfio saltos agulha na calçada portuguesa. Quando volto de um casamento ou festa e tiro os sapatos, os meus pés choram. Mesmo sem saltos, é uma restrição. Sabe tão bem estar descalça. Só me apercebo disto quando regresso à cidade e é suposto não estar.

A hora da sesta

Eu agora tenho bebés que fazem a sesta. Mas mesmo antes disso estava habituada a não estar na praia à hora do sol. E sabe tão bem a pausa. Sair da hora do calor máximo, comer qualquer coisa. Relaxar, horizontalizar (isto diz-se?). Ficar a olhar para o tecto um bocadinho. Talvez pegar num livro ou numa revista. Espreguiçar. A hora da sesta é o período de férias de cada dia.

Andar a pé à beira-mar

O meu carregador de baterias. O meu programa preferido para relaxar. A única coisa que às vezes me faz ponderar se gostaria de viver ao lado do mar. De vez em quando vê-se um artigo a dizer que descobriram que faz bem ao cérebro. Mas não é preciso estudos. Sente-se logo. Desde a pontinha dos pés. Faz só bem, alivia a tensão, traz boas ideias. E traz uma certa esperança. Talvez seja porque associo à mudança de ano escolar. Novos objectivos, nova vida.

Leituras de férias de praia

Quer consiga efectivamente estar de papo para o ar na praia a ler quer não, é sempre agradável pensar nas leituras de praia. Por exemplo, este ano tive estas ideias. Marcha tudo, mas romances contemporâneos parece que casam bem. Mas acaba por ser tudo o que me der na cabeça, realmente. Excepto aqueles calhamaços muito pesados, que não dão jeito nenhum no saco de praia.

A família

Felizmente as minhas férias de praia são em família. Felizmente, dou-me bem com a minha família. Preciso sempre do meu espaço, mas tradições são tradições. Quanto mais, melhor. Nem dava jeito estar lá sem eles. Quem quer um gelado? Quem quer ir dar um mergulho? A Avó já chegou? Etc. E gostava que os meus filhos também pudessem ter estas tradições familiares.

E a menina?

Também podes gostar

1 comment

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.